. Entrevistas .

In Y (Público) - Maio de 2002


"Faz 12 anos que os More República Masónica (MRM) iniciaram a obra e para celebrar a efeméride nada melhor do que rever as iniciações passadas através da compilação "Egostrip -A Retrospective", agora editada, que reúne uma selecção de temas remasterizados dos álbuns lançados pelo grupo até à data: "More More More" (1992), "Blow Your Mind (with Supersonic Meditation)" (1995), "Equalizer" (1996) e "Chemical Love Songs" (2000, com produção de Jack Endino, um dos papas do "grunge"). O percurso faz-se cronologicamente de trás para a frente e, segundo a visão dos República Masónica -presen- temente, formada por três dos músicos fundadores, Jorge Dias, Paulo Navarro e Nuno Castêdo -, "é 'assim que faz sentido".

"Poucos duraram o que nós já durámos", garante com orgulho Jorge Dias, baixista e, mais recentemente, teclista dos MRM. O segredo não tem nada de maçónico e muito menos de secreto. "Basicamente, a gente gosta disto!". "Isto" parece simples, mas não é fácil manter firme uma ideia e muito menos bater-se por ela. Mas há uma ponta escondida, embora também neste caso esteja longe de se apresentar como a salvação do mundo. Mas salva-os a eles. É que se eles gostam de "isto", não é menos verdade, acrescenta o baixista dos More, que nenhum dos elementos da banda "precisa disto para viver" o que, à partida, lhes garante "uma certa dose de liberdade" de trabalho. Não em "full time" mas num "part-time", de maneira "insistente" e "consistente".

Amadores na plena acepção do termo, é esta insistência e consistência, às quais se poderá acrescentar uma grande dose de fé no que fazem, que tem permitido a evolução segura de uma música que nunca se preocupou com a urgência e as pressões da actualidade. "Há bandas que aparecem, são faladas durante dois minutos e desaparecem em seguida, sem que tenham cumprido as expectativas". É o que acontece em Portugal numa percentagem superior ao que seria desejável. Mas essa é uma questão da qual os MRM têm sabido precaver-se. "Desde o início que temos consciência -ou no subconsciente -que o nosso tipo de música não é para vender avidamente, ou para combater nessa jogada comercial que é a maior parte do mercado português". Jorge Dias sintetiza, em suma, a posição dos MRM, apontando uma "atitude de não-compromisso com o mercado", a par do esforço em "manter a música o mais pura possível".

Evoluir na continuidade. A luta continua e, volvidos 12 anos sobre a abertura das "hostilidades", o grupo não dá sinais de ceder. Nota-se, isso sim, uma evolução na continuidade de que os MRM se orgulham e que Paulo Navarro define como a tentativa constante de "atingir sempre um patamar superior" àquele em que se encontravam anteriormente, ainda que sem pôr de parte a expectativa de o grupo poder vender cada vez mais discos e, deste modo, fazer chegar a sua música a mais pessoas. "Hoje já conseguimos chegar a um número maior de pessoas porque possuimos alguma estrutura a nível de distribuição, já não temos que ser nós a fazer tudo, embora a atitude de gravar discos continue a depender de nós", diz Jorge Dias, garantindo a imunidade completa dos MRM "ao que o mercado exige". "Nunca alinhámos em moda, estamo-nos completamente nas tintas para o que está a dar ou não neste momento", conclui Nuno Castêdo, o mais introvertido do trio.

Não é fácil definir a música dos More República Masónica. É rock. Tem força. É combativo. Mas cada vez mais imbuída de uma faceta que remete para o psicadelismo (Luís Simões, dos Satumia, toca "sitar" em dois dos temas que farão parte do próximo álbum de originais dos More, já gravado, mas ainda sem data de lançamento). Apesar de os três elementos ouvirem coisas tão dispares como Six by Seven, And Vou Will Know us by the Trail of Dead, Wilco, Gomez, Josh Rouse, Boards of Canada, The Hives ou The Strokes, e de cada vez mais transformarem cada ensaio numa tertúlia de troca de impressões, discos e de discussão do "estado da nação", a música dos MRM evidencia uma vitalidade que os anos não conseguem apagar. Se os MRM são, como afirma Jorge Dias, "uma banda de continuidade", é nessa linha sem falhas, que une o primeiro álbum ao penúltimo, que a energia flui, sem vazamentos. "O grupo viveu sempre de três correntes", conclui Jorge Dias: "o punk rock, aquele lado 'do it yourself' e mais imediatista, o hard rock, mais ligado com nossa primeira fase de um rock mais pesado e agressivo, e o psicadelismo, o lado mais ambiental, de atmosferas mais complicadas".

Para confirmar, basta escutar de fio a pavio o antológico,"Egostrip", título escolhido para dizer, também ele, alguma coisa, como Jorge Dias explica: "Começámos a rever o nosso passado e vimos que há um certo lado de 'ego trip', o orgulho do que já se fez, por outro lado tem também essa faceta engraçada de se conseguir ver os pontos fracos e os pontos fortes, como um despir...".

Um "despir" progressivo que justifica a ordem cronológica inversa com que foram arrumados os 18 temas da antologia (a única novidade é uma versão de "Zip zap woman" dos Pop Dell'Arte), como se nessa viagem em direcção à fonte se guiasse o auditor até à descoberta da "essência" do grupo, presente desde a sua génese.. Mais prosaico, Nuno Castêdo fala, a propósito deste disco, do "fecho de um ciclo" e, referindo-se no que se lhe seguirá, ao "início de um novo". "Um salto para a frente", nas palavras de Jorge Dias. Uma mudança, enfim.

Mas será mesmo a revolução ou um cerrar de fileiras ainda com mais força? É ainda Jorge Dias quem, abre a porta que dá para o que o futuro esconde ao virar da próxima esquina: "No início, os tais três lados que estavam separados -punk, hard rock e psicadelismo -um tema mais assim, outro mais assado, aparecem agora juntos. Temo-nos afastado cada vez mais das correntes em si para conseguir que o nosso som, hoje em dia, seja uma amálgama disso tudo". Afinal de contas, um outro ponto de equilíbrio entre uma insatisfação permanente e uma percepção, nunca interrompida, do tal "estado da nação" onde os MRM insistem em não querer sujar os pés. Dois pólos complementares bem ilustrados pelos títulos de duas das canções incluídas em "Egostrip -A Retrospective": "More more more" e "Too much reality". Uma realidade que poderá esconder mais do que aquilo que mostra. Mas isso, os More República Masónica deixam para o ouvinte decidir...

- Fernando Magalhães

< Blitz Junho 2002


© 2003 More República Masónica. Email.